A revolução do rock nos games?

maiopm302008 13, 2008

À pedidos, os comentários serão abertos agora. E quem disse que as pessoas não mudam hein? Fico muito feliz de saber que o blog está tendo uma aceitação legal, espero que continue.

E o que é aquilo alí? É o Guitar Hero? É o Rock Band? Não. É o Rock Revolution, aposta da Konami para entrar no meio dos jogos musicais. Foram confirmadas 40 músicas, e o jogo será para Xbox 360, PlayStation 3, Wii e Nintendo DS. Por enquanto sabemos que Blitzkrieg Bop (Ramones), Detroit Rock City (Kiss), We’re Not Gonna Take It (Twisted Sisters) e All The Small Things (Blink 182) farão parte do sitlist do jogo.

 

 

Pois é, pareceu um tanto quanto tosquinho comparado com Rock Band e Guitar Hero né? Deu pra reparar que a esteira das notas é completamente vertical, no estilo Guitar Freaks, e se prepare para ver a bateria:

 

 

Contou comigo? 1, 2, 3, 4, 5, 6 pads e mais um pedal. Muita coisa pra você? Os 4 pads de Rock Band já te confundem o suficiente? Tudo bem, a Konami vai disponibilizar no jogo a opção de remover o pedal e de praticar freestyle notes durante a música, segundo o site Multiplayer da MTV.

E agora o Guitar Hero ficou mesmo para trás? Rock Band com a sua bateria, esse tal Rock Revolution querendo aparecer, e onde está o Guitar Hero?

Senhoras e senhores, a bateria do Guitar Hero IV é a mais bonita, não tem pra ninguém. Além dela também ter 6 pads e um pedal, no novo gametrailer do jogo aparece um bumbo genial com a marca da série. Não sei como vou fazer pra arrumar mais espaço, mas a minha bateria do Rock Band vai ter que se espremer no canto da sala pra dividir a atenção com a bateria do Rock Band.

Guitar Hero IV também disponibilizará microfones para quem quiser arriscar uma cantoria e um modo de criações de músicas pelo próprio jogador que poderão ser baxadas na rede online por outros jogadores (no máximo 5 músicas por jogador, a princípio). Ou seja, se você fizer uma música muito legal, ela poderá ficar famosa no mundo online, isso sim é ser Rock Star hein.

 

 

Ainda temos o Guitar Hero On Tour que virá para o DS, provando que eles realmente não querem ficar para trás.

 

 

Eu acho o máximo, por mim quanto mais jogos nesse gênero melhor. Não me enjoou nunca, posso tocar mil vezes as mesmas músicas e sempre fico feliz, e meus amigos podem confirmar que as reuniões mais divertidas são aquelas que envolvem uma partida de Guitar Hero ou Rock Band.

 

OBS: Estarei ausente no feriado, em Guaratinguetá tentando trazer a medalha de ouro para o time de handball da Cásper Líbero. (E quem disse que nerds que jogam videogame não sabem jogar esportes hein?). Um bom feriado pra todo mundo, e torçam por mim.


Engraçadinhos

maiopm252008 13, 2008

Não, nenhum dos vídeos abaixo conseguiu cumprir seu objetivo de ser engraçado, mas é só pra mostrar que lá nos EUA os jogos causam tanto impacto que acabam virando tema de programas famosos de televisão.

Os dois primeiros são do Saturday Night Live e Mad TV sobre o GTA IV, e depois são dois vídeos mais antigos do Mad TV também, mostrando como o Grand Theft Auto seria em sua versão programa de auditório e um jantar em família onde a filha traz o namorado para conhecer a família.

Será que por aqui o pessoal da Zorra Total e da Praça É Nossa sabem quem é Mario Bross?

 

 

 

Grand Theft Auto IV on SNL

 

Grand Theft Auto IV – The Board Game

 

Grand Theft Auto – The Audience Game

 

Master Chief comes to dinner


Literalmente, sex machine

maiopm472008 13, 2008

            A estudante JennyLC Chowdhury recebeu como tarefa de seu curso reproduzir um controle inspirado no clássico game Pong. A premissa do exercício era ter um controle que comandasse um jogo onde a tela seria dividida ao meio, com o responsável pelo lado esquerdo da tela e outro pelo lado direito, assim como Pong, que era jogado contra a máquina.

             Essa era a base do exercício, porém foi dado à aluna total liberdade para criar o conceito do jogo. Então a moça que era fã de jogos como Guitar Hero, Dance Dance Revolution e Wii, onde há possibilidade de interação jogador/jogo, teve a idéia de criar algo que também fosse interativo.

              Jenny começou a pesquisar sobre jogos e se deparou com um fenômeno chamado por ela de “Gamer Widowhood”. A Irmandade das Viúvas de Gamers é uma comunidade de mulheres que foram trocadas por consoles ou jogos de vídeo games. Elas se reúnem para dar apoio uma as outras e tentar solucionar o abandono de seus maridos e namorados fanáticos por vídeo games. O Texto “Confessions of a video game widow” de Fran Hortop foi a gota dagua que Jenny precisava para fazer algo a respeito das mulheres traídas por vídeo game.

              No texto Fran alerta a todas as mulheres que o relacionamento namorado/vídeo game começa inocentemente. Primeiro é um console com um jogo, onde ele joga nas horas vagas ou quando dá tempo. Depois os números de jogos aumentam, seguido pelo número de consoles, aí vem mais uma televisão e quando você se depara está cercada por fios, jogos, consoles e só encontra seu namorado na cama depois que ele passou o dia todo com a outra o vídeo game.

              Jenny então deve ter pensado “Esses homens não vão largar os jogos, mas também não podem largar suas namoradas, como posso resolver esse problema?” e assim nasceu o “Intimate Controllers”, traduzindo, “Controles Íntimos.” A definição pela criadora: Uma plataforma onde o game é jogado por casais tocando um ao outro. Os controles são um sutiã para a jogadora, e uma cueca estilo boxer para o jogador. Cada controle possui seis sensores que são localizados nas peças de roupa em diferentes “graus de intimidade”. Os jogadores precisam passar de fase juntos se quiserem que a próxima fase fique mais caliente.

 

          O objetivo do jogo é criar uma maior interação entre o casal sem ter que deixar o vídeo-game de lado. Jenny, no entanto alerta que o jogo não visa resolver o problema das viúvas, mas sim criar um jogo onde os dois possam jogar juntos. O jogo funciona no estilo de Guitar Hero, onde os botões, no caso os sensores, deverão ser apalpados no momento em que aparecerem na tela.

            Minha opinião sincera sobre o assunto? Essas mulheres estão reclamando de barriga cheia. É tão difícil arranjar um companheiro que seja fanático por vídeo-games e as que encontram se sentem traídas por consoles. Eu até compreendo que certos jogos realmente são impossíveis de parar de jogar, e aí o ciúmes até tem uma justificativa, mas se o seu namorado prefere jogar Endless Ocean ao invés de passar um tempo namorando, sinto muito mas o problema não é o vício dele por jogos, ele só está criando desculpas.

              Será que os namorados gamers são mesmo tão “frouxos” assim a ponto de precisar de um joguinho para serem estimulados a largar o vídeo-game? A maior locadora de games do Reino Unido, a Gametart, realizou uma pesquisa para saber da vida sexual dos seus clientes, em especial as jogadoras. As meninas que jogam vídeo-games entram em ação com seus companheiros pelo menos uma vez a mais por semana do que as meninas que não jogam nada. Se as meninas conseguem consolidar vício/namoro aposto que os garotos também.

            E tem mais, eu acho que gamers/nerds dão excelentes namorados. A Wired fez uma lista chamada “The 10 Real Reasons Why Geeks Make Better Lovers”, “Os dez reais motivos pelo qual os geeks são os melhores amantes”, onde existem itens como “Geeks gostam de interpretar personagens.” e “Geeks fazem as coisas até o final.”

Uma outra lista, enumera os motivos “Porque geeks são um bom partido”:

1) Geeks não traem. – Além de saberem que a grama apenas parece ser mais verde do outro lado, eles não possuem uma boa capacidade de se sociabilizar com outras pessoas para arranjar um caso.

2) Geeks valorizam suas parceiras. – Provavelmente você será a primeira pessoa com quem ele terá um relacionamento sério, e por esse motivo será muito bem tratada. O geek sabe que não há muitas outras opções de companheira para ele, e francamente ele nem sabe como é que está em um relacionamento com a pessoa com quem ele está.

3) Geeks não tem hábitos de relacionamentos formados. – Geeks provavelmente não possuem um passado amoroso, então tudo que vocês fizerem juntos será novidade, sendo possível moldar os hábitos do relacionamento de vocês, já que ele não terá base para comparar.

4) Geeks são bons nas coisas que eles experimentam fazer. – Todos sabem que Geeks possuem habilidades e se esforçam para serem os melhores nelas, seja xadrez, vídeo games etc, então ele não irá desistir enquanto não tornar o relacionamento em que ele está o melhor.

5) Geeks não estão interessados em status. – Geeks são Geeks porque escolheram passar o tempo fazendo coisas que não os tornariam exatamente populares (como jogar vídeo game). Isso significa que o Geek está mais interessado em fazer sua parceira feliz do que ser bem visto pelos outros, por exemplo.

6) Geeks tem imaginação. – Use a sua imaginação.

7) Geeks são felizes e bem sucedidos em sua área de atuação. – Geeks geralmente gostam de seus trabalhos e são bons nisso, evitando o stress no relacionamento das pessoas que não gostam de seus empregos e descontam em seus parceiros.

8) Geeks são analíticos. – Se eles não acertam da primeira vez que fizeram, olham o que fizeram de errado, tentam mudar e resolver o problema. E eles tentam até conseguirem fazer certo. E uma vez que conseguem acertar, continuam buscando melhorias. (Todo mundo sabe que gamers são assim.).

9) Geeks conseguem se concentrar. – Geeks colocam total foco na tarefa que lhes fora designada. Alguém já viu um Gamer de verdade “piscar” até conseguir passar daquela fase impossível? Pois é. No relacionamento é assim também.

10) Geeks são os melhores no que eles fazem. – Então eles tentam mais, e mais vezes e nunca param de tentar. Ou você já viu um gamer parar de jogar vídeo-game só porque ele sabe que pode terminar um jogo?

Tem uma outra lista bonitinha chamada “Dez razões do Geek ser um bom pai.” Para aquelas meninas que já estão com o pensamento mais em frente.

1)     Legos.

2)     Vídeo Games.

3)     Matemática.

4)     Você terá filhos inteligentes.

5)     Alguém que entenda de tecnologia.

6)     Projetos da feira de ciências.

7)     Alguém para montar os brinquedos.

8)     Gadgets.

9)     Ser inteligente é legal.

10)  Being idolized is good for your geek.

 

Viu Jenny, tem mais pessoas que concordam comigo que esses nerds que jogam vídeo game são um ótimo partido.

 

Outras listas:

Nerds mandam bem!
Para você que gosta de um nerd (geek)
Why Geeks Make Good Lovers
Motivos pelos quais Geeks são melhores amantes (tradução do de cima)Why Geeks and Nerds Are Worth It

Top 10 Reasons Why Geeks Make the Best Catch

Ten reasons why Geeks make good friends

Top ten reasons Geeks make good fathers

Ten reasons it isn’t always easy being married to a Geek

 

 

 

 


Mortal Kombat vs DC Universe

abrpm482008 13, 2008

        O que parecia ser mais uma piadinha à moda de Assassin’s Solo está se confirmando realidade. O novo projeto da Midway (produtora dos jogos da série Mortal Kombat) é o jogo para Xbox 360 e Playstation 3 intitulado Mortal Kombat vs DC Universe. O responsável pelo jogo é Ed Boon que em entrevista ao site gamespot, explica que estava procurando algo inovador para inserir um jogo da série Mortal Kombat na nova geração de consoles, e por isso teve a idéia de trazer a turma da DC pro jogo.

            A princípio o jogo terá duas histórias. O jogador teráque optar por um dos dois lados, se ele for uma personagem da DC (por enquanto só definiram Superman e Batman) o universo em que ele se encontra será invadido pelas personagens do Mortal Kombat (Scorpion e Sub-Zero) e vice-versa.

 

 

 

 

 

 

 

            Não é a primeira vez que há essa fusão de personagens nos games, em 97 tivemos o Marvel Super Heroes vs. Street Fighter da produtora Capcom e agora nos deparamos com o exato oposto dos dois times, tanto do mundo dos games quanto do mundo dos HQs.

            Ed Boon revelou que as personagens receberam modificações, principalmente as da DC, para que os duelos fossem mais justos. Superman terá uma resistencia física menos alta, já que teoricamente é indestrutível e nunhuma personagem do Mortal Kombat conseguiria aniquila-lo a não ser que tivesse uma pedra de kriptonita por perto. Batman recebeu uma forcinha a mais, ele terá uma resistencia mais alta para poder lutar contra os poderes de Suz Zero e Scorpion.

            Mas não foi só o lado da DC que recebeu alterações. Lembra de quando você jogava Mortal Kombat e sentia aquela satisfação ao derrotar seu adversário com um Fatality? Nada de Fatalities no Mortal Kombat vs DC Universe. O pessoal da DC vetou que suas personagens heróicas tivessem seus corações arrancados do peito ou suas espinhas dorsais arrancadas do corpo.

            O jogo tem tudo para revoltar fãns dos dois lados, ninguém gosta de ver seus heróis recebendo modificações tão bizarras e fora de contexto da história real de cada um. Mas o jogo também pode agradar muitas pessoas que estão sentindo falta de algo da série Mortal Kombat para a nova geração.

            Enfim, ainda estou meio descrente em relação ao jogo, se é real ou mais uma pegadinha, mas o que realmente eu não me conformo é como a DC Comics deixa que qualquer pessoa altere suas personagens.

            No filme Superman – Returns, Clark Kent ganhou um herdeiro. Onde na história dos quadrinhos o Super Homem tem um filho com a Louis Lane? E agora no Mortal Kombat vs DC Universe ele será vulnerável à poderes mágicos, terá sua resistência diminuída e provavelmente receberá mais modificações que não foram divulgadas ou definidas.

            Ainda bem que eu sou Marvel de carteirinha desde pequena, porque apesar do Spider-Man 3 não ter sido nenhuma ode ao Stan Lee, pelo menos o meu Peter Parker não apareceu com um filho ilegítimo ou enfrentando desastres naturais como principais vilões do filme.

            Mortal Kombat vs DC Universe tem previsão de lançamento para o outono nos Estados Unidos e ainda não foi divulgado se será lançado em outros países.