I’m Iron Man

abrpm422008 13, 2008

Bilionário, inteligente, investidor da própria grana em equipamentos utilizados por ele mesmo para defender civis, empresário durante o dia, super-herói nas horas vagas, notório playboy, tem um mordomo que trabalha na mansão onde vive, seus pais morreram tragicamente, e é claro, tem problemas de compromisso.

Seria o Batman?

Não. É melhor do que o Batman, é o Homem de Ferro.

Não é uma declaração feita simplesmente porque sou fã da Marvel, mas porque considero Tony Stark um Bruce Wayne muito mais interessante, com características mais coerentes com a “realidade”.

Não dá para o Batman enfrentar um exército de terroristas armados até os dentes com uma roupa de borracha e um cinto com alguns bumerangues. Ele precisa de uma armadura a prova de balas e armamento pesado também. Isso porque não irei teorizar sobre super-vilões, estou considerando apenas situações plausíveis com a realidade, que é o que visa explorar a nova série do Batman Begins.

Comparações à parte, o filme do Iron Man é excelente. Tem toda a cara de ser o primeiro de algumas seqüências – como já era esperado. O filme mostra como surgiu o Homem de Ferro e a trajetória de Tony Stark desde que ganhou seu famoso “chestplate”, do abandono da indústria bélica à formação de um super-herói.

As cenas de construção e aperfeiçoamento da armadura são excelentes, e os testes de funcionamento da roupa arrancam algumas risadas. Uma trilha sonora animal e efeitos especiais melhores ainda complementam uma história excelente contada na tela. Não posso deixar de mencionar que achei uma das melhores aparições de Stan Lee em filmes da Marvel.

Os DCmaníacos podem brigar comigo o quanto quiserem, mas não tem jeito, a Marvel se esforça cada vez mais para que seus filmes sejam melhores, tenham um enredo que agrade aos fãs e críticos de primeira viajem, e se tornem clássicos no futuro. (Não me venham falar de Daredevil, todo mundo comete erros, e o Ben Affleck é fã do Demolidor desde pequeno e… ah, deixa pra lá.) Junto com Spider-Man 2, Iron-Man entrou na minha lista de filmes queridinhos da Marvel.

E se você não liga para efeitos especiais, se a história do filme condiz com a do HQ, não importa, vá ver o Robert Downey Jr. A atuação e aparição dele na tela já valerá cada centavo do seu ingresso.

 

Iron Man movie trailer

 

Filme da Marvel = Jogo de videogame.

Com Iron Man não será diferente, está previsto para Maio de 2008 o lançamento do jogo inspirado na trama do filme. O game ganhou um hot site muito legal com making offs, entrevista com Stan Lee e downloads.

http://ironmanthegame.marvel.com/index.php

A medida que você joga, poderá criar upgrades para a armadura de Tony Stark, escolhendo se deseja aumentar fatores como força, velocidade, agilidade, potência, etc, é a velha fórmula para jogos baseados em super-heróis. O enredo do jogo será exatamente o mesmo que estréia nos cinemas dia 30 de Abril e chegará para Wii, Xbox 360, Playstation 3, Nintendo DS e PSP desenvolvido pela SEGA.

 O demo do jogo já está disponível para download no Xbox Live.

Faz tempo que não jogo um bom game de super-heróis, desde Marvel Ultimate Alliance, pelos trailers o jogo não parece ser nada de fantástico, mas espero que Iron-Man: the game se equipare ao filme.

 

Videogame trailer

 

The making of the video game: The Suit

 

 

OBS: Só eu notei a incrível semelhança entre a mansão de Tony Stark e a do vilão de Charlie’s Angels? Será?


Live and the city

abrpm412008 13, 2008

Mulheres sempre reclamam de como é difícil achar o cara ideal por aí. É inevitável escutar comentários sobre este tópico no metrô, no ônibus, na mesa ao lado, na fila do cinema ou em qualquer outro lugar, geralmente a frase usada é a mais clichê “Como em uma cidade do tamanho de São Paulo eu não consigo achar alguém?”, pois é, agora o que eu me pergunto é “Como em um universo do tamanho da Xbox Live eu não consigo achar alguém?”.

            Eu admito que para uma gamer os critérios de escolha para o “cara ideal” são mais específicos, mas não deveria ser tão difícil assim achar alguém que prefira passar os Domingos jogando Call Of Duty 4 do que ver a nova comédia romântica da Kate Hudson com o Matthew McConaughey (qualquer uma das seis que eles estrelam por ano). Alguém que tenha como primeiro encontro ideal ver a pré-estréia do lançamento da Marvel no cinema, ou ir à Fest Comix, que se mantenha em forma porque jogar Wii cansa, e que tenha uma banda de rock animal, no Rock Band.

            Falando nisso, todo mundo sabe que músicos possuem um charme natural, e quase todas as garotas se derretem quando o cara pega um violão e começa a tocar os três únicos acordes que ele sabe de todas as músicas do Jack Johnson, John Mayer e cantores do gênero. Também tenho um fraco por “músicos”, seja Guitar Hero ou Rock Band, quando vejo um expert, fico entusiasmada. Mas é sempre a mesma história, a gente termina a música, aparece no canto superior direito da tela “dragonmaster76 has sent you a message” e lá vou eu abrir esperançosa a mensagem e me deparo com “I have to go now, school day tomorow.” Tudo bem, eu deveria ter esperado por essa de novo, mas os brasileiros não ficam atrás, são sempre aquelas conversas em que você sabe que o “tato_timao” tem quinze anos, ou o “the_best_brazil” fala tão estranhamente que só pode estar usando um daqueles aparelhos de capacete.

            Onde estão os nerds que fogem do estereotipo? Ainda vou conhecer um cara porque acabei escutando acidentalmente ele falar que o Playstation 3 é melhor do que o Xbox 360 e iniciaremos um debate na mesa do bar, e depois de tantas horas de conversa ao invés de pedir meu telefone, irá pedir minha Gamertag. E no dia dos namorados, quando minhas amigas me mostrarem as jóias, flores, chocolates e bichinhos de pelúcia que elas ganharam, eu vou falar “meu namorado me deu 4000 gamerpoints no Marketplace, esse é pra casar.”

            Enquanto meu Master Chief não aparece, eu continuo fazendo ótimas amizades em comunidades, na Live, fóruns e ocasionalmente em barzinhos quando aparece um ou outro que vem conversar sobre Winning Eleven, enfim, a vida de qualquer solteira, não é?


Sem julgar

abrpm062008 13, 2008

Poster viral do GTA IV

 

Gritos histéricos à parte, o GTA IV vazou  na internet uma semana antes do seu lançamento. Eu fiquei morrendo de inveja das pessoas felizes com torrents por aí. Nem procurei, porque sei que se achasse e conseguisse baxar, não iria poder jogar porque meu Xbox 360 não é destravado. E mesmo se fosse a versão que está por aí é PAL, européia, e meu console apesar de ser original, não é tão metido a ponto de ser europeu.

Seja quem for o pirata que colocou o GTA IV na internet fez para provar que conseguiu burlar o lançamento do jogo, ou até mesmo para jogar antes  e se exibir por aí, porque poderiam muito bem comprar o GTA IV pelo preço original daqui a uma semana sem achar ruim.

Já eu, vou ter que esperar algumas semanas para comprar meu GTA pelo preço anunciado pela Synergex, a bagatela de R$229,00.

Apesar de achar esse preço muito caro, você respira fundo e diz “É, está na média né”, ninguém esperava menos que isso. Mas você já parou para pensar porque os preços de vídeo-games e jogos são tão altos, chegando a triplicar o valor original?

A carga tributária que incide sobre os consoles e jogos é maior que a das máquinas de videopoker, consideradas máquinas de jogatina e por isso recebem uma taxação tão pesada.

Para entrar no Brasil um console passa pelas seguintes taxações:

 

1)     Imposto de Importação (II) = 28%

É um imposto federal que incide sobre a entrada de produtos estrangeiros no Brasil, evitando uma concorrência desleal com produtos fabricados por aqui.

 

2)     ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) = 25%

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicação. Também é aplicado sobre a entrada de produto importado, seja por pessoa física ou jurídica, mesmo quando se trata de um bem para consumo ativo ou permanente do comprador.

 

3)     IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) = 50%

A principal incidência é sobre mercadorias nacionais e estrangeiras que consistam na reunião de produtos, peças ou partes e da qual resulte um novo produto ou unidade autônoma.

 

4)     PIS (Programa de Integração Social) = 1,65%

Pago pelas pessoas jurídicas, a grosso modo incide sobre bens adquiridos para revenda.

 

5)     COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) = 7,6%

Tributo cobrado pela União para atender a programas sociais do governo federal.

 

            Concluindo, a conta dá 257% do custo do FOB (“Free on Board”, termo utilizado para designar o preço original da mercadoria, livre de qualquer despesa relativa à exportação) para os consoles – no caso de games e portáteis, são 233% e 209%, respectivamente, Ou seja, só essa taxação é de impostos mesmo, ainda falta incluir o custo de distribuição, margem de lucro de revendedoras e etc.

            Em linhas práticas, um Xbox 360 custa aproximadamente U$400,00. Some U$1020 de imposto e custo de frete, que seria aproximadamente U$70 por console. Agora é só converter pela tava atual do câmbio e está justificado o preço do console lá na loja do shopping.

            Está correndo um projeto de lei proposto pelo deputado Carlito Merss a Câmara dos Deputados em março de 2007, que pretende estender os benefícios fiscais da Lei de Informática (de 1991), para consoles. Ou seja, se a lei for aprovada ela pretende reduzir os impostos abusivos sobre hardware e software relacionados a Games no Brasil.

            O texto do projeto de lei diz que 94% dos consoles no Brasil são contrabandeados. E quem não compra pirata acaba tendo que pagar os 257% a mais sobre o valor original.

A justificativa do deputado para tal lei é a de que o Brasil tem potencial para ser o maior mercado de games da América Latina – Essa é a justificativa? Achei que ele estava inconformado de pagar R$1099,00 no Rock Band.

Ok Carla, pare de reclamar e importe o jogo.

Mas eu não queria importar, demora no mínimo trinta dias, e enquanto seus amigos colocam “GTA IV é a-ni-mal” no nick deles do msn, eu fico esperando o carinha do sedex sentada na calçada. Fora que preciso contar com a sorte, e inúmeros fatores burocráticos.

Quanto sairia para importar o GTA IV anunciado por U$58.95?

Vou considerar a taxa de câmbio de R$1,70, então o jogo já passa a custar R$100,22, certo? A taxa via correio do site CDUniverse é de U$6,99, então temos mais R$11,88 para a conta. Agora entra a parte da sorte. Se a Receita Federal recolver segurar a sua encomenda, além dela passar três meses presa, receberá uma taxação por importação.

Alguns impostos de importação já entram no valor do frete, mas mesmo assim caso você tenha que pagar, será p valor de  60%. R$112,10 * 0,60 = R$67,26.

Acrescente ICMS 18%:  (R$112.10/(1-0.18)*0.18 = R$24.61

O valor final do jogo agora é de R$112.10 + R$67.26 + R$24.61 = R$203.97, mais uma bela dor de cabeça e três meses de espera.

Alguém está indo viajar para o exterior esses dias?

 

PS: Odeio as pessoas que estão jogando GTA IV. As odiarei pelo menos até a data de lançamento, e não é porque sou politicamente correta, e sim porque estou com inveja.

 

Vale a pena ler o texto da lei sobre os jogos na íntegra, é curtinho e no mínimo é um assunto a mais para ser comentado no boteco:

 http://www.camara.gov.br/sileg/Prop_Detalhe.asp?id=343613.


Sell more, play more

abrpm592008 13, 2008

            Apaixonei-me a primeira vista pelo comercial do Xbox exibido na Sony quando eu tinha 17 anos e era uma garota sem saber que rumo seguir no vestibular. Eu lembro de ter pensado “É isso, é isso que eu quero”.

            Hoje em dia não saberia responder se eu me apaixonei pelo comercial, o que me levou a prestar publicidade e propaganda, ou se foi pela mensagem do Xbox e pelo fato de já ser louca por vídeo-games desde criança.

            Mas questionamentos internos à parte, nesses anos de faculdade eu vi muitas coisas legais relacionadas ao mundo de games, e todo mundo adora uma propaganda bem bolada, uma super produção, algo de 30 segundos que te faça rir, então reuni no blog algumas das minhas propagandas preferidas relacionadas a games.

            Vou começar pela propaganda que era para ter decidido meu rumo, se eu não fosse não imatura para perceber. Intitulada “Xbox Mosquito” te contagia, e passa a mensagem essencial de que a vida é curta para passar o tempo todo trabalhando. Aumente o som.

 

 

            Life is short. Play more.

 

 

            Quando o Xbox passou para nova geração, o tema mudou de Play More para Jump In. E quase todas as campanhas com esse tema mostram como seriam os jogos em situações do nosso cotidiano e nos convidam a participar, ou seja, Jump In.

            E se os jogos de combate acontecessem na sua rua?

 

 

            A maioria dos comerciais do Xbox gera ações de guerrilha. São eventos relacionados diretamente ao comercial em que há interação de pessoas para divulgar a marca. No caso do comercial acima gerou uma gera de bexigas em várias praias dos EUA:

 

            Mesmo tema, porém este comercial foi banido da televisão.

 

 

            Este comercial gerou um viral – vídeo que circula pelas páginas do youtube e derivados como se não fosse proposital.

            É uma cena da escolha do elenco que estrelaria o comercial acima. É hilário, sempre que preciso dar umas risadas eu clico no link.

 

 

            O seguinte comercial ganhou muitos prêmios em Cannes. É intitulado The Mountain para o PlayStation 2 e teve cenas filmadas aqui no Brasil. Um dos meus preferidos.

 

 

Ok, sou fã do meu Xbox 360 de carteirinha, fanática, xiita pelo meu lindo vídeo-game, amo discussões sobre qual console é o melhor. Mas à nível de propaganda essa série do PlayStation 3 me deixou embasbacada.

Eles fizeram algo para tentar mostrar a complexidade de um console como o PlayStation 3 para muitos leigos no assunto. A sensação que você tem ao ver o comercial é de que aquela máquina realmente é uma maravilha, uma fábrica de outros mundos e outras realidades.

É meio creepy, mas é muito legal.

 

 

 

Os comerciais do Wii são aqueles toscos onde mostram vídeos com pessoas alegres jogando tênis com o Wiimote, mas eles tem alguns virais provocativos em relação à outros consoles legais.

 

PS3 vs Wii

 

 

Resposta do Nintendo Wii para a acusação de que seus consumidores haviam se machucado com o Wiimote e quebrado inúmeras televisores ao deixar o controle escapar de suas mãos:

 

 

Mas meu viral preferido é do meu queridinho Xbox 360.

 


Wii loves Okami

abrpm432008 13, 2008

Por Carlinha Rodrigues

 

O jogo é animal, lindo e deslumbrante e deixou a antiga versão do Playstation 2 no chinelo. A história é a mesma, a personagem central é a deusa do Sol Amaterasu encarnada na forma de um lobo. Amaterasu foi acordada de um sono de 100 anos para salvar o antigo mundo japonês das garras do seu inimigo o dragão Oroichi, ela precisa recuperar seus poderes ao longo do jogo, sempre com a ajuda da pulga falante Orochi.

Se por um lado o fato da história ser a mesma de dois anos atrás decepciona um pouco, por outro lado jogar com o wiimote é animal. O pincel utilizado no jogo para interagir com o cenário e lutar contra inimigos, o famoso celestial brush, antes era controlado pelo stick do controle analógico do PS2 e apesar de funcionar direitinho, era um processo demorado e trazia certa impaciência para os jogadores menos coordenados que travavam batalhas com seus controles para desenhar um complexo solzinho de primário.  Na versão para Wii o pincel é controlado pelo Wiimote, e apesar de apanhar um pouco para pegas as manhas, quando você aprende os movimentos se tornam naturais e o jogo flui com muito mais facilidade.

O visual do jogo é magnífico. A direção de arte é linda e extremamente ousada e deixa você viajando nas influências japonesas que estão por todos os lados, desde a própria história e simbologia do jogo até os elementos de construção do cenário. Assim que você aciona o pincel, o jogo se transforma em uma tela de pintura onde você pode desenhar e criar movimentos de combate.

O jogo tem um universo gigante com cenários bem diferentes, e promete muitas horas de aventuras em um estilo similar ao de Zelda, e é sem dúvidas uma das melhores adaptações feitas para o Nintendo Wii.


Mortal Kombat vs DC Universe

abrpm482008 13, 2008

        O que parecia ser mais uma piadinha à moda de Assassin’s Solo está se confirmando realidade. O novo projeto da Midway (produtora dos jogos da série Mortal Kombat) é o jogo para Xbox 360 e Playstation 3 intitulado Mortal Kombat vs DC Universe. O responsável pelo jogo é Ed Boon que em entrevista ao site gamespot, explica que estava procurando algo inovador para inserir um jogo da série Mortal Kombat na nova geração de consoles, e por isso teve a idéia de trazer a turma da DC pro jogo.

            A princípio o jogo terá duas histórias. O jogador teráque optar por um dos dois lados, se ele for uma personagem da DC (por enquanto só definiram Superman e Batman) o universo em que ele se encontra será invadido pelas personagens do Mortal Kombat (Scorpion e Sub-Zero) e vice-versa.

 

 

 

 

 

 

 

            Não é a primeira vez que há essa fusão de personagens nos games, em 97 tivemos o Marvel Super Heroes vs. Street Fighter da produtora Capcom e agora nos deparamos com o exato oposto dos dois times, tanto do mundo dos games quanto do mundo dos HQs.

            Ed Boon revelou que as personagens receberam modificações, principalmente as da DC, para que os duelos fossem mais justos. Superman terá uma resistencia física menos alta, já que teoricamente é indestrutível e nunhuma personagem do Mortal Kombat conseguiria aniquila-lo a não ser que tivesse uma pedra de kriptonita por perto. Batman recebeu uma forcinha a mais, ele terá uma resistencia mais alta para poder lutar contra os poderes de Suz Zero e Scorpion.

            Mas não foi só o lado da DC que recebeu alterações. Lembra de quando você jogava Mortal Kombat e sentia aquela satisfação ao derrotar seu adversário com um Fatality? Nada de Fatalities no Mortal Kombat vs DC Universe. O pessoal da DC vetou que suas personagens heróicas tivessem seus corações arrancados do peito ou suas espinhas dorsais arrancadas do corpo.

            O jogo tem tudo para revoltar fãns dos dois lados, ninguém gosta de ver seus heróis recebendo modificações tão bizarras e fora de contexto da história real de cada um. Mas o jogo também pode agradar muitas pessoas que estão sentindo falta de algo da série Mortal Kombat para a nova geração.

            Enfim, ainda estou meio descrente em relação ao jogo, se é real ou mais uma pegadinha, mas o que realmente eu não me conformo é como a DC Comics deixa que qualquer pessoa altere suas personagens.

            No filme Superman – Returns, Clark Kent ganhou um herdeiro. Onde na história dos quadrinhos o Super Homem tem um filho com a Louis Lane? E agora no Mortal Kombat vs DC Universe ele será vulnerável à poderes mágicos, terá sua resistência diminuída e provavelmente receberá mais modificações que não foram divulgadas ou definidas.

            Ainda bem que eu sou Marvel de carteirinha desde pequena, porque apesar do Spider-Man 3 não ter sido nenhuma ode ao Stan Lee, pelo menos o meu Peter Parker não apareceu com um filho ilegítimo ou enfrentando desastres naturais como principais vilões do filme.

            Mortal Kombat vs DC Universe tem previsão de lançamento para o outono nos Estados Unidos e ainda não foi divulgado se será lançado em outros países.

 

 


My Hero: Guitar Hero

abram282008 13, 2008

            Se não são todas as meninas que gostam de qualquer tipo de games, com certeza uma que todas “toleram” e até acham legal é o Guitar Hero.  Não há como não se apaixonar por ele, lembro do exato dia em que amigo apareceu em casa para me mostrar o Guitar Hero I, foi amor à primeira vista, assim que eu vi a caixa meus olhos já brilharam e não esqueço como foi dar as primeiras “palhetadas” em I Love Rock N’ Roll.

            O Guitar Hero é um verdadeiro marco na história dos games, por ter uma jogabilidade inovadora onde o gamer precisa ir palhetando o strum bar e dedilhar os fret buttons do joystick em forma de guitarra as notas musicais que vão aparecendo na tela. Guitar Hero foi inspirado no jogo Guitar Freaks da produtora Konami, que não teve sua divulgação muito bem feita nos Estados Unidos, e mesmo se houvesse tido uma boa divulgação, duvido que conquistaria o mesmo êxito de seu sucessor, quem teve a oportunidade de jogar Guitar Freaks viu que o jogo era muito simplório, gráficos horrorosos, tinha uma guitar controler de algumas toneladas e tinha só três botões e as músicas eram no estilo “pump japonês” old school, nada irritantes.

 

 

Guitar Freaks

 

 

Guitar Controllers

Guitar Controllers

 

 

            A produtora Harmonix lançou o Guitar Hero I em Novembro de 2005 junto com a RedOctane para o Playstation 2, o jogo recebeu inúmeros prêmios, foi sucesso de crítica e vendeu mais de 1.5 milhões de cópias, em 2006 veio a seqüência Guitar Hero II para Playstation 2 e em 2007 foi lançada a versão do jogo para Xbox 360, juntas as vendas do Guitar Hero II para os dois consoles alcançou o número de 3 milhões de cópias.

            A RedOctane foi comprada em Junho de 2007 pela Activision, e a Harmonix pela MTV Networks, o que resultou no fim da produção do Guitar Hero pela Harmonix, agora o jogo seria desenvolvido pela Neversoft (mesma produtora da série de jogos Tony Hawk), a Harmonix ainda chegou a lançar o Guitar Hero Encore: Rocks The 80´s para Playstation 2 em Julho de 2007 antes de parar de produzir o jogo. 

            A Neversoft lançou o Guitar Hero III para Playstation 2, Playstation 3, Wii, Xbox 360, PC e Mac e agora ela está produzindo nada mais nada menos do que o pacote de expansão chamado Guitar Hero: Aerosmith que vai ser lançado em Junho de 2008.

            Yeah, Aerosmith meninas! I Dont Want To Miss a Thing, Cryin’, Amazing, Hole In My Soul, Ja já Jaaaaaaded, Girls of Summer (duvido que tenha essa, mas foi só pra reforçar o meu ponto). Aerosmith é um ícone do rock, sem dúvidas uma das minhas bandas preferidas junto com o AC/DC, mas é óbvio que a Neversoft buscou por banda que além de ser reconhecida mundialmente também tivesse um estilo de música que se modificou com o tempo sem deixar de agradar à um público massivo de homens e mulheres.

            Eu vejo em inúmeros fóruns, fãns do jogo “revoltados” por ser uma banda de rock mais pop como o Aerosmith à estrelar o próximo pacote de expansão, eles pedem por algo mais agressivo, o campeão de pedidos é o AC/DC, mas todos sabemos das complicações com a liberação de direitos autorais da banda, em segundo lugar vem Metallica, convenhamos que Metallica apesar de ser uma banda excelente não abrange a diversidade de pessoas que gostam de Aerosmith, e além do mais, o que entraria do St. Anger no jogo né? Por favor.

            Acredito que mesmo os metaleiros que não admitem que sabem cantar pelo menos Dude Looks Like a Lady irão gostar do jogo, o Aerosmith passou por diversas fases, possui uma discografia imensa e muito variada, e Joe Perry (guitarrista da banda) não deixa a desejar nos solos das músicas de diferentes de todos os períodos da banda, (eu não consigo fazer cinco estrelas em Train Keep Rollin’ nem a pau, AINDA.) 

            Fora a musicalidade, o jogo ainda promete ter personagens extremamente fiéis aos integrantes do grupo e mostrar a carreira deles pelas diversas venues do jogo que ainda trará músicas de outras bandas como Cheap Trick, Deep Purple, The White Stripes, Mott the Hoople, Joan Jett, The Kinks e Lenny Kravitz. (Menos mal hein galera do metal?).

            Agora eu fico aqui me perguntando, qual será a última música do jogo? Minhas apostas estão em Draw The Line e aquele solo de 786987 minutos do Joe Perry.